O “corte da própria carne” não surtiu efeito

índiceEm tempos de crises, por que sacrificar o trabalhador que se locomove ou de ônibus ou com o carro próprio, que acorda cedo e enfrenta transito por várias horas, em detrimento daqueles que recebem um salário excelente e benefícios exorbitantes? Não consigo visualizar sentido moral numa prática como esta.

Faço essa pergunta, pois falou-se muito no decorrer do ano em “cortar da própria carne”, porém, pouco ou nenhum resultado parece estar surtindo efeito. No início do mês de outubro a Presidenta Dilma anunciou as seguintes medidas: Continuar lendo “O “corte da própria carne” não surtiu efeito”

Anúncios

Primeiro ano da gestão Rollemberg é fraco

4gofomun14_3wtsgbkah3_fileApós uma eleição que caiu no colo do atual governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg (PSB), seu primeiro ano como gestor foi praticamente inerte. O Distrito Federal vivenciou em 2015 algo muito diferente dos últimos anos , principalmente no que se refere a parte econômica.

O Governador começou seu mandato mostrando em números que recebeu “uma herança maldita” do governo anterior, com déficit de R$3,8 milhões e apenas R$64 mil em caixa. Por conta desses valores, Rollemberg parcelou o salário do funcionalismo e suspendeu o de fornecedores. 

Porém, o Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) e o Sistema Integrado de Gestão Governamental (SIGGO) desmentem os números afirmando que na virada de 2014 para 2015, o caixa do GDF estava abastecido com R$ 17 milhões e com quase R$ 1,5 bilhão na primeira semana do ano. A Secretaria de Fazenda alega que a maior parte do dinheiro estava vinculado a fundos do governo, o que dificultaria o pagamento dos servidores e dos fornecedores. Continuar lendo “Primeiro ano da gestão Rollemberg é fraco”

A briga é mostrar quem tem mais poder

O recesso das atividades do Congresso Nacional está próximo de acontecer, no entanto, dois temas ainda repercutem na mídia e na população. O impeachment da Presidente Dilma e o afastamento do Eduardo Cunha da presidência da Câmara dos Deputados.

No dia 2 deste mês, Eduardo Cunha acolheu o pedido elaborado por Hélio Bicudo, fundador do Partido dos Trabalhadores, e pelo advogado Miguel Reale Junior. O impeachment tem como base as pedaladas fiscais, manobra utilizada para aliviar as contas públicas. Vale ressaltar que outros políticos, a exemplo do atual governador do estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, também utilizou desta prática para aliviar as contas do estado.

Como havia explicado numa postagem anterior sobre pedala fiscal: Continuar lendo “A briga é mostrar quem tem mais poder”